Quem me conhece já sabe (ou em sala de aula ou com o cliente), a firmação é a mesma: “Não dá pra fazer evento sem a presença dos influenciadores digitais, os digital influencers“. Por quê? Vou explicar…

  • facebook

Anelisa Barreira – Instagram: @dicasdanisa

A empresa que oferece evento está se utilizando dessa ferramenta promocional para ser mais vista. O evento é parte da estratégia de comunicação dela. Porém, só fazer um evento e convidar as pessoas, (público alvo) não é mais suficiente para atrair público. As empresas precisam garantir um plus, convidando esses influencers. Deve-se considerar também que a estratégia de fazer evento não é uma iniciativa isolada e que eles também têm concorrência.

Toda semana tem um evento bacana acontecendo. Melhor dizendo: todo dia tem bons eventos acontecendo simultaneamente. É muita coisa ao mesmo tempo para darmos conta! Mas a verdade, é que não é todo evento que motiva os influenciadores digitais a sairem de suas casas e dar sua presença. E, nem passe pela sua cabeça, que é só enviar um convite bonitinho… Longe disso. Convites, presentes e mimos são uma realidade diária cuja seleção de lugares e eventos nada tem a ver com o presente. Mas com a linha editorial que cada um adota para mostrar-se ao seu público.

  • facebook

Bruno Calaça – Instagram: @brunocalaca

Além disso, vale ressaltar: digital influencer é uma profissão. Por isso, deve ser remunerada. Se quer presença vip no seu evento, solicite o mídia kit do profissional. Se ele não tiver, paciência! Não dá pra trabalhar sem profissionalismo!

Hummmm…. me lembrei aqui de uma pergunta feita por um aluno quando falava desse assunto em sala de aula: – Professora, e as permutas?. Bem, sou a favor de permutas sim, mas elas têm ser boas para os dois lados. Um influencer não pode ficar só permutando alimentação em restaurantes, por exemplo. Ele ficaria acima do peso em pouquíssimo tempo. Ou uma de moda, ela teria que fazer um bazar mensal para tentar ver um pouco do lucro. Torno a repetir: É UMA PROFISSÃO, mais respeito, por favor.

Mas afinal, o que são os influenciadores digitais?

Para entendermos melhor, vou explicar o que são influenciadores digitais. Segundo o jornal PropMark,  os influenciadores digitais conversam diretamente com a nova geração de usuários e, principalmente, possibilitam engajamento nos mais diversos assuntos.

As pessoas com menos de trinta anos de idade foram as primeiras que cresceram acostumadas com a Internet e este novo consumo de informação. As empresas ainda encontram dificuldades para entender este público e descobrir seus anseios e preferências. Apostar nos influenciadores digitais, no entanto, se confirma como um ótimo recurso para atingir estes objetivos.

  • facebook

Andrea Fialho – Instagram: @andreafialho_

Estamos testemunhando uma re-evolução, onde os comportamentos mudaram assim como os conceitos: se antes uma empresa poderia investir muito dinheiro em apenas um canal de divulgação, hoje é preciso diversificar os canais e, principalmente, os modelos de estratégia de comunicação. Artistas e atletas ainda vendem, sem dúvida, mas agora dividem espaço com youtubers, blogueiros, Keferas e Puglieses. Quem souber atuar com esta nova “turma” (e as mensagens enviadas por eles) dará o primeiro passo para a consolidação de sua marca, conclui o jornal.

Como escolher os influenciadores digitais?

Mas como ser assertivos na escolha dos influencers? Com alguns eventos realizados, asseguro que deve-se ter cuidado ao selecioná-los. Para isso, listei alguns critérios como:

  1. Deve ter afinidade com o público do evento. Independente de ganhar ou não o produto/serviço divulgado no evento, o personal influenciar deve ter condições de adquiri-lo. Por quê? Costumo dizer: o melhor blogger de gastronomia é aquele que pode pagar pelo prato que come. Acompanho algumas empresas e percebo que elas não estão se ligando nessa informação. Convidam pessoas pelo seu número de seguidores. Erro! Não cabe aqui a crítica ao Fulano ou Beltrano. Você deve se atentar ao seu público e ver se a personalidade atende a sua demanda. Qualquer postagem pode aumentar seguidores, mas SEGUIDORES NÃO SÃO CLIENTES. Foque nos que podem ir até a sua empresa pela identificação com a marca.
  2. Deve conhecer a Persona da sua empresa. Imagine que sua empresa é uma pessoa, dê a ela um nome qualquer (João, Valentina, Marta, Leandro); atribua a idade, profissão, estado civil, classe social; imagine seus hábitos de consumo, locais de passeio; etc. Agora, tente entender quais personals influencers são mais afins da personagem que você criou para o seu negócio. Esse ato simples, faz você direcionar a sua comunicação aos perfis mais interessantes.
  3. Não deve se impressionar com o número de seguidores. A maioria das pessoas se encanta com quantidade de seguidores, mas isso já não é o bastante. O importante, assim como em qualquer negócio, é que o investimento traga retorno. Se, na sua pesquisa de afinidade da sua persona com o influencer, você notou que direciona para mais seguidores, ótimo. Mas não subestime a que tem menos. Gratas surpresas podem surgir.
  4. Deve ser verdadeiro. Como influenciadores digitais, os bloggers vendem junto seu estilo de vida, sua maneira de ser. Quanto mais verdade eles mostram em suas redes sociais, mais alcançam objetivos das marcas que contratam. Suas personalidades possuem uma proposta única, são inspiração. Não limito a classe A dos influencers. Nem as classifico nem como melhores ou não. Trata-se de compreender qual a mais adequada para atender a sua marca, evento ou produto. A verdade do blogger deve ter uma identificação com a empresa. Sem isso, não é coerente.
  • facebook

Paulinha Sampaio – Instagram: @paulinhasampaio

No portal Ponto Eletrônico, Brunella Nunes conclui que há uma nova economia: as redes sociais como fonte de renda e inspiração. Com ela não se ganha mais apenas curtidas ou uma legião de fãs, mas influência, poder aquisitivo e independência, especialmente aos mais jovens. Pessoas, mais do que nunca, têm em mãos o poder de se transformar em mercadoria. O que antes era coisa de celebridades de Hollywood agora está ao alcance de todos. Tal premissa ganhou o nome de digital influencer. O influenciador digital é um termo designado para pessoas bem relacionadas no mundo virtual, com alcance de voz e imagem a milhões de pessoas. Assim surge mais um nicho no mercado frenético das redes.

Resta a você fazer boas escolhas. E a nós, continuarmos trabalhando na consultoria a eventos que precisam de informações de qualidade e digital influencers coerentes com sua proposta e público.

Gostou? Então comenta!

É personal influencer, manda seu material pra gente – contato@pahce.com.br. Queremos conhecer e indicar mais o seu trabalho.